Contos

Amargo Oscar

Escrito por Lara

A mulher estava cansada. Mais uma semana produtiva se passara e a sensação era de dever cumprido. Ligou o som do carro e cantou Kings of Leon bem alta e desafinadamente. Após um banho morno, leu as últimas páginas de um romance erótico qualquer. Era leve e sexy, já deveria ter lido outros cem naquele estilo. Assistiu a “Singing in the Rain” na TV e repetiu diálogos e músicas que sabia de cor desde criança.

Um dia, a mulher conheceu um homem que a fez bem. Era inteligente, dinâmico e divertido. Ela o adorava. Só que o homem detestava rock, achava romances eróticos ridículos e vergonhosos e não via sentido em filmes antigos.

Então a mulher nunca lhe contou o quanto amava tudo aquilo.

Aos poucos, ela passou a ver filmes de ação e terror, assim como ele gostava, decorou a biografia de grandes músicos clássicos, assim como ele gostava, e começou a ler livros de investimentos financeiros.

Devagar, ela deixou de se reconhecer no espelho. Devagar, a mulher virou uma personagem de si mesma, interpretando com maestria aquela outra que ela acreditava que deveria ser. Devagar, perdeu sua própria luz e tornou-se um refletor. Tinha que confessar: estava se saindo bem.

Em uma sexta-feira produtiva, após o trabalho, a mulher ligou o som do carro e ouviu Bach, desanimadamente. Após um banho frio, leu algumas páginas de um livro de aplicações financeiras, desanimadamente. Por fim, ligou a TV e assistiu desanimadamente a um previsível filme de ação. Logo a seguir, entre vestidos coloridos e ternos bem cortados, viu atores e atrizes recebendo o Oscar de melhor atuação.

Desanimadamente, sentiu uma fina pontada de ironia.
É.

Aquela mulher merecia um Oscar.

Deixe seu comentário

2 comentários

  • Lara cumpre um excelente trabalho de colocar forma a seu trabalho de reflexão. Estamos sempre incomodados com dois mundo do “eu “. O mundo do ” eu” interior e o mundo do” eu” colocados na mente de terceiros. Temos que dar vazão ao que pensamos de fato.

    • Sim. De fato essa dicotomia entre o “eu” real e o “eu” projetado para terceiros realmente me incomoda bastante. Concordo com você sobre termos que dar vazão! Seja sempre bem-vindo por aqui.